GAECO investiga concursos públicos em Monte Alto

Operação "Q.I", investigou 30 cidades. São 50 promotores, 50 delegados e 120 investigadores envolvidos na atividade.

Publicado em 16 de junho de 2015 às 13h09

 

Desde às 6 horas desta terça-feira (16), a Prefeitura Municipal de Monte Alto permaneceu lacrada, não sendo permitida a entrada dos funcionários. Delegados e promotores de Justiça realizaram mandados de prisão e de busca e apreensão.

O GAECO (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) levaram o gerente de uma empresa do ramo imobiliário de Monte Alto. Uma segunda procurada, uma mulher proprietária de uma loja de materiais de construção, não foi localizada.

Documentos relacionados a licitações e concursos públicos nos últimos anos, realizados pela Prefeitura Municipal, foram apreendidos e levados para análise.

Em Fernandópolis, a psicóloga Marta Colassiol e sua sócia, proprietárias da Persona Capacitação foram presas. Documentos referentes à realização de concursos públicos foram apreendidos. Em Pradópolis, Marlene Galiaso foi presa, e seria a suposta mentora da ação criminosa, que realizava licitações fraudulentas com apoio das prefeituras.

A operação aconteceu, simultaneamente, também em  Jaboticabal, Pradópolis, Turmalina, Estrela D´Oeste e Pedranópolis. Ao todo, 30 cidades estão sendo investigadas na operação, e 20 mandados de prisão e 55 de busca e apreensão foram expedidos.

Leia mais sobre , , , , , , ,

Veja também

Comentários