Governo do Estado realiza pregão para escolha do gestor do Fundo Imobiliário

Administrador privado será contratado para operar venda de imóveis públicos ociosos; medida inédita visa otimizar e racionalizar recursos

Publicado em 31 de janeiro de 2018 às 7h28

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta terça-feira, 30, o vencedor do pregão para contratação de serviços técnicos especializados para estruturação, administração, custódia e operação do Fundo de Investimento Imobiliário do Estado de São Paulo (FII). As propostas foram dadas na sede da Secretaria da Fazenda e o vencedor do certame, com o melhor lance ofertado, foi a Socopa Corretora Paulista, que ficará responsável pela administração do fundo por cinco anos, podendo ser prorrogado.

“Demos um passo inovador que pode ser um exemplo para o Brasil, do primeiro Fundo Imobiliário público do país. E contratamos um consócio com expertise”, comentou o governador.

O Fundo de Investimento Imobiliário do Estado de São Paulo conta com um portfólio de 264 imóveis, de um estoque de mais de 5 mil, presentes em todas as regiões do Estado e avaliados em aproximadamente R$ 1 bilhão.

“Imagine quantos imóveis públicos tem parados no Brasil, no país inteiro, esse país continental, o custo de manter todos esses imóveis. O risco de invasão desses imóveis e a perda econômica e social”, descreveu o governador sobre os prejuízos de se ter imóveis inutilizados. “Às vezes, você tem um terreno à beira de uma rodovia, como a Castelo Branco, de uma autoestrada, que poderia gerar muito emprego, ter uma indústria, uma atividade logística, e os terrenos estão lá, parados sem nenhuma utilidade”, exemplificou.

Com a licitação vencida hoje, o Estado cria uma espécie de imobiliária pública. Nessa primeira oferta ao mercado foram selecionados imóveis com documentação mais regularizada e que podem ser vendidos com maior facilidade. No estoque estão contemplados imóveis comerciais, residenciais, terrenos, barracões, oficinas e ginásios incorporados pelo Estado ao longo do tempo.

São Paulo é pioneiro na criação de um mecanismo para otimizar e racionalizar os recursos públicos disponíveis com a venda desses imóveis, que representa não apenas o ingresso de valores no Tesouro Estadual, mas também uma importante redução de despesas administrativas e de custeio.

A Companhia Paulista de Parcerias – CPP, ligada à Secretaria da Fazenda, é responsável por conduzir a licitação, contratar o administrador e acompanhar a gestão do fundo com o agente privado.

Leia mais sobre

Veja também

Comentários